Veneza – Uma cidade única

Um conjunto de 120 ilhas, uma cidade sobre as águas com diversos canais recortando-a, um verdadeiro labirinto de obras arquitetônicas, táxis somente pelas águas do canal grande, como não ser única?

Venha viajar pela “sereníssima” italiana, e conhecer algumas dicas para desfrutar deste destino tão deseja por turistas.

Certamente Veneza é incomparável, não há nenhuma outra cidade que você vai visitar e terá uma experiência parecida. É por esse e outros bons motivos que foi considerada uma das cidades mais belas da Itália. E ganhou o coração até mesmo de Napoleão Bonaparte que disse sobre a Piazza San Marco: “É o salão mais bonito da Europa”.

Gôndolas no Grande Canal

Sestiere de VenezaAprendendo sobre os distritos da cidade

Tendo em mente que são várias ilhas que formam a cidade, fique atento aos “distritos” – os sestieres de Veneza – são seis distritos:

San Marco: o coração de Veneza e provavelmente onde os turistas investem mais tempo para explorar. Uma ótima opção de local para hospedagem.

San Polo: Arredores da Ponte Rialto, é menor distrito de Veneza e um dos mais antigos da cidade. 

Dorsoduro: abriga a zona sudoeste de Veneza, além da Ilha de Guidecca. É o bairro universitário por excelência. Tem lindas galerias e certamente merece uma visita.

Castello: Sendo o maior bairro de Veneza, abriga desde a zona mais turística que rodeia o Palácio Ducal até a mais humilde do embarcadeiro.

Cannaregio: foi o lugar de residência de diversos personagens ilustres da história veneziana, como Marco Polo, Tiziano ou Tintoretto. Acredito ser o distrito menos explorado pelo turismo.

Santa Croce: é uma das zonas mais humildes de Veneza, especialmente sua parte leste. É o único lugar da ilha onde os carros podem circular e
último lugar onde se pode chegar por vias rodoviárias, sendo a Piazzale Roma, local sem interesse para os turistas mas onde termina a Ponte da Liberdade,  aqui estão os ônibus que chegam e saem de Veneza.

Vista do Campanário para a Punta de la Dogana em Dorsoduro e mais ao fundo Giudecca

Chegando a Veneza

Como explicado acima o último ponto pra chegar por via rodoviária será a Piazzale Roma. Para aqueles que desembarcam no aeroporto Marco Polo também a opção de pegar um ônibus até este ponto, ou usar um táxi ou transporte aquaviário. Você também poderá chegar de trem, pela estação Santa Lucia. Seja qualquer uma das três formas para chegar (ou sair) de Veneza, ainda será necessário um segundo transporte até seu hotel, o vaporetto.

Um dos grandes atrativos de Veneza, o que a torna única, é o fato de estar rodeada por água. Não há trânsito de carros, mal há ruas, algumas vezes são becos estreitos, ruelas. Sendo assim os táxis, as ambulâncias, os carros de polícia ou o serviço de correios são aquáticos, e o mesmo ocorre com os ônibus urbanos (na verdade não há) mas os vaporettos exercem essa função.

Os Vaporettos percorre o grande Canal circulando ao redor de Veneza com pontos de paradas específicos, há várias linhas mas uma das mais utilizadas pelos turistas é a linha 1 que tem paradas em pontos de interesse como a Praça São Marcos, Ca’Rezzonico e Ponte Rialto. O preço de uma passagem válida por 60 minutos é de 7 euros – o transporte público mais caro do mundo!!!

Transfer compartilhado saindo do aeroporto Marco Polo

Dica da Turista: Se você está chegando pelo aeroporto Marco Polo uma outra forma de ir para Veneza é utilizado os transfers privados ou compartilhados. Eu usei o “Water táxi” da www.venicelink.com

Campiello San Vidal

Onde ficar

A oferta de hotéis e hospedarias é grande principalmente na região de San Marco, Dorsoduro e Castello mas não se engane, mesmo com grande oferta os valores das diárias são razoavelmente altos. Qualquer região que você escolher ficar estará num bom lugar, você estará em Veneza , meu caro colega turista, não tem como ser ruim.

Pontes e pequenos canais em Veneza
A caminho do Vaporetto entre ruelas

Mas algumas estratégias podem facilitar sua estada. Você já sabe que tudo se faz a pé, com exceção da sua chegada e partida que será por água (e alguns eventuais passeios mas não é regra). Há muitas ruelas e corredores estreitos para transitar entre os pontos de interesse e certamente haverá pontes com degraus, a cidade não tem acessibilidade, não há como. Sendo desta maneira, escolha sua hospedagem pensando em na proximidade não só dos pontos de interesse mas principalmente de um ponto de parada, uma estação do vaporetto, um lugar que você não tenha que andar muito tempo entre ruas estreitas e uma grande quantidade de pessoas puxando uma mala, seja ela o tamanho que for (é cansativo)! E lembre-se, degraus irá aparecer no seu caminho, pense muito bem nisso quando for fazer as malas, prefira as pequenas porque além destes obstáculos no caminho, se você for usar o meio de transporte mais comum terá que colocar sua própria mala nos locais destinados (como se fosse um bagageiro dentro do barco).

Roteiro e outras dicas

Vista para a Praça San Marco, Museu correr logo ao centro

Piazza San Marco é o ponto inicial para conhecer Veneza, além de ser o coração da cidade, ali se encontra pontos que todo turista quer ver. A Praça mede 180 metros de comprimento por 70 metros de largura e é o ponto mais baixo de Veneza, contanto que quando acontece o fenômeno “acqua alta” é o primeiro lugar a inundar. Lá no meu instagram @turista.tips nos destaques tem um pouquinho mais falando sobre esse fenômeno.

Piazza San Marco

Aproveitar a piazza de dia ou a noite é prioridade na cidade e depois se perder, literalmente, pelas ruas de San Marco. Começando então pelos arredores da praça, faça uma visita a Basílica São Marcos, sem dúvida a construção que mais chama a atenção com seus mosaicos dourados, é o edifício religioso mais importante da cidade. Aproveite para visitar os balcões que oferecem uma linda vista para a praça. A entrada na basílica é gratuita porém sempre com grandes filas, se você optar por comprar um ingresso pela internet terá hora marcada para sua visita com filas menores.

Basílica San Marco
Campanário, Piazza San Marco

O campanário ou em italiano Campanile de San Marco talvez seja o monumento mais conhecido da cidade. É o edifício mais alto de Veneza, com 98,5 metros de altura, permite uma bela vista da cidade lá do alto, Veneza estará aos seus pés e se o tempo estiver limpo é possível ver até algumas ilhas próximas, como Burano. A torre originalmente servia como farol e após várias restaurações, no ano de 1515, adquiriu a forma como é atualmente. Apesar de hoje ser uma reconstrução terminada em 1912 após a sua queda em 1902, um colapso causado por rachadura. O lema da reconstrução, em italiano, dov’era e com’era  (onde estava e como era).

No alto da torre encontra-se a estátua dourada do anjo Gabriel. Também há cinco sinos os quais tinham funções diferentes. Para subir todas os seus degraus paga-se 8 euros. Porém se você preferir poupar as pernas para as outras tantas escadarias encontradas pela Itália pode optar pelo elevador com um custo um pouco maior e outra vantagem, este jeito necessita de hora marcada então sempre com menos filas.

Basílica San Marco e Palácio Ducal
Palazzo Ducale


Palácio Ducal (Palazzo Ducale ou Dodge’s palace) O palácio gótico  do século 14 e 15, que já foi casa do Doge de Veneza (sede do governo) é hoje um museu. Para quem quiser conhecer mais da história de Veneza, é bacana visitá-lo. Ali você vai conhecer a assustadora prisão (Prigioni Nove) e a bela Ponte dos Suspiros que corta um canal. As visitas iniciam se as 9h30 isso permite que seu da comece cedo nestes arredores para aproveitar o máximo. Dica: se você gosta de museus, separe umas 2 horas pra está visita. Você pode comprar seu ingresso (inclusive para um “itinerário secreto”) com antecedência online.

Ponte dos Suspiros

Ponte dos Suspiros também fica ali pertinho da Praça San Marco, aos fundos, você poderá inclui-la no passeio ao visitar o Palácio Ducal ou ainda passando pelo canal num passeio de Gôndola. Muitos acreditam que o nome da ponte é por causa dos casais apaixonados que vão a Veneza, pode até ser mas o verdadeiro motivo, diz a lenda, que é devido aos prisioneiros que davam seus últimos suspiros de liberdade quando passavam por ela, pois é a ligação para o Palazzo Ducale e sua prisão.

Grande Canal visto da Ponte dell’Academia ao pôr do sol
Pequeno Canal em Dorsoduro

Canal Grande & os pequenos canais o grande canal corta a cidade em forma de S é uma super via, digamos que a avenida principal (porém aquática) de Veneza. Tudo passa por ali, os vaporettos, water- táxi, gôndolas, polícia, bombeiros e até os navios de cruzeiros por esse motivo uma dica: se for fazer passeio de gôndola e tiver problemas com enjoo no balançar das águas opte pelos pequenos canais pois a água aqui fica sempre mais agitada e se você encontrar navios então, ouvi experiências de que a sensação é de que realmente a gôndola iria virar. Ainda mais charmoso que o grande canal são os Pequenos Canais são muitos, e aca um você percebe um detalhe fofo, seja uma janela florida do outro lado, um gondoleiro passando a cantar ou uma ponte charmosa. Simplesmente aproveite e admire!

Selfie concorrida na Ponte Rialto

Ponte Rialto certamente a ponte mais famosa de Veneza, é a ponte em arco mais antiga sobre o Grande Canal. Por muito tempo ela foi formalmente a única ligação permanente entre os dois lados do Grande Canal, até abrirem outras 3 pontes.
A ponte Rialto foi construída entre 1588 e 1591 para substituir a anterior de madeira que já havia caído 2 vezes além de ter sido incendiada, em 1514 um incêndio assolou Rialto.
No alto verão o local é super disputado pelos turistas tanto pra tirar uma foto quanto pra passar pelas lojas na ponte ou ainda o acesso ao mercado Rialto, sim, a ponte é local de várias lojinhas e isso as vezes é um grande transtorno.

Basílica de Santa Maria della Salute

Basílica di Santa Maria della Salute a imponente igreja católica que fica no bairro Dorsoduro (o outro lado do canal) foi construída em intenção a Virgem Maria em cumprimento de uma promessa. Diz-se que o pedido foi para que livrasse a Itália da peste negra. Sua fachada é linda, possível se ver do outro lado do canal. Horário para visita 09h00 até 12:00 / 15:00 até 17:30

Aproveite esse momento para explorar mais do bairro, vá até a ponta (punta de la Dogana) ali tem-se uma bela vista do grande canal, em especial no fim de tarde, e um “esconde” uma bela escultura em bronze – Mermaid.

Aqui citei, digamos, o Top 5 dos pontos de interesse em Veneza. Passeio que pode ser realizado num dia inteiro. Mas a Sereníssima tem muito mais a oferecer, a cada estreito corredor que se vira, a cada pontezinha que se atravessa há uma linda surpresa te esperando. A grande dica para visitar Veneza é perca-se, ande sem rumo, explore e descubra!

Nunca li nada sobre a igreja de “San Moise” e simplesmente me apaixonei por ela. Outra igreja que merece uma visita é “Santa Maria Gloriosa dei Frari” por fora nem é tão fotogenica quanto a de Santa Maria, mas há muitas esculturas e obras de arte em seu interior que valem a visita.

Igreja de San Moise

Não tive intenção de entrar em cada museu da cidade pois vinha de uma viagem com muios museus importantes programados para visitação. No entanto, a lista de museus aqui também é grande, opções como: Museu Correr (diz-se que o mais importante de Veneza), o antigo palácio Ca’Rezzonico, Galeria da Academia (galeria de arte com grandes obras de artistas italianos como Veronese, Tiziano, Bellini…) Teatro La Fenice, Atelier Marega entre outros.

Arredores de Veneza

Se você tem mais tempo em Veneza marque um dia para visitar as ilhas nos arredores. Usando o vaporetto (linha LN) no ponto Fondamenta Nuove ou em San Zaccaria, você vai aé Torcello (paisagem mais rural). Torcello já foi a ilha mais povoada da republica e Veneza e também foi cenário de algumas cenas do filme “O poderoso Chefão”. A 5 minutos dali usando a mesma linha do Vaporetto você chega a Burano famosa ilha das casinhas coloridas e uma boa escolha para a hora do almoço já que é conhecida por ter o melhor espaguete a lo vongole da região, uma especialidade italiana. E pra finalizar o passeio pelas ilhas, não pode faltar Murano, de onde vem o mundialmente conhecido cristal murano. Aqui tem fábricas onde pode-se ver o manuseio do cristal. Ah, uma dica fora da Itália, se quiser conhecer fábricas deste tipo de cristal e não vai “à fonte” na Itália, indico a visita a Poços de Caldas em Minas Gerais (sim, estou (como diz os mineiros) “puxando sardinha” pra minha amada cidade natal.

Outro bate e volta que vale a pena saindo de Veneza é a visita a Verona. Bom, sobre a cidade da Giulieta de Shakespeare eu conto em outro artigo! Acompanhe Turista.Tips nas redes sociais.

Grande Canal de Veneza

Itália sem dúvida foi um viagem marcante Passamos pela região da Toscana, e Vale D’Orchia com base em Florença, fomos ao litoral de Cinque Terre e descemos até Roma. E sempre experimentando os maravilhosos gelatos por cada ponto que passávamos e por isso fiz um artigo especial somente sobre este companheiro no verão europeu – Os melhores gelatos italianos confere la!

Não se esqueça de seguir “Turista.Tips” nas redes sociais e veja por onde estamos andando…
@turista.tips
 @turista.tips

Resumo de Viagem

  • Local: Veneza – Itália
  • Principais Visitações: Museus, igrejas, praças e restaurantes
  • Parceira de Viagem: Família – marido e tios.
  • Fotografia: Taciana P Rocha e William V Rocha
  • Ponto alto: Subida ao Campanile de San Marco, a vista e a sensação de ver Veneza do alto é incrível.                        
  • Ponto baixo: alto verão europeu a cidade fica muito cheia, algumas ruas até difícil de andar, dê preferencia para meias estações
  • Duração: 3 dias em Veneza (Total 22 dias de viagem)
  • Ano: 2017 (Agosto)

Facebook Comments

Deixe uma resposta